Entrar

Invisible Cities: A visual (re)interpretation @

Apesar da notória abstração das ilustrações, elas vêm da simplificação do conceito de cada cidade. Foi definido um conjunto de regras (um sistema visual) para ajudar com a organização do projeto – todas as ilustrações partilham a mesa grelha de base (16 por 16). As cidades, divididas em 11 categorias, têm uma paleta de cores definida. Cada categoria tem 3 cores exclusivas e 2 cores partilhadas (preto e branco).

Na tabela acima vemos as cidades todas organizadas pela respetiva categoria. Também podemos ver a organização dos capítulos, que forma uma padrão simétrico que se assemelha a um tabuleiro de xadrez. Kublai Khan era um bom jogador de xadrez como escreveu Italo Calvino, nas Cidades Invisíveis. O xadrez é uma metáfora importante ao longo do livro e é notório até na construção/organização do mesmo, por isso achei relevante integrar isto no meu projeto.

Parte I: Poster

A forma final deste projeto é o poster abaixo, onde as ilustrações/cidades aparecem na mesma ordem do livro original. É uma maneira de apresentar o conteúdo da história noutra forma, mostrando algo que não seria evidente na forma textual. No fundo do poster existe uma legenda para identificar as cidades representadas.

Parte II: Livro

O livro abaixo é um complemento ao poster, servindo como explicação/documentação de todo o projeto. Possui todas a ilustrações, uma por uma, bem como uma explicação do conceito por trás de cada uma. Também explica as categorias das cidades e a ligação entre as mesmas. Ajuda também a perceber o projeto como um todo. A capa foi inspirada pela tabela que forma o padrão do xadrez.

Obrigado! Também podem ver este projeto (e outros) no meu perfil do Behance.

15

Entra na tua conta ou cria uma conta para comentar.

Invisible Cities: A visual (re)interpretation