Entrar

"As andorinhas também voam à chuva, disse ela. Por debaixo do peso das contrariedades, pincelada pela neutralidade do cinzento, os voos rasantes das andorinhas que se permitem testar os limites, fazendo competições repletas de risinhos outonais, à caducidade das folhas das árvores, coradas de emoções repentinas, incalculadas, um manancial de espontaneidades a jorrar, imparável, do centro.

Era a liberdade de gestos que as movia, apesar de saberem perfeitamente que voltariam sempre ao mesmo lugar, a um refúgio quente e familiar, de odores conhecidos e seguros. Apesar disso, provavam a impermanência e sabiam de cor os seus sabores doces e também os mais amargos que por vezes lhes deixavam rastos na pele mais escondida. Conheciam o tempo do silêncio, música inaudível que enfeitiçava e apelava para se deixarem ficar numa ausência de espaço e de tempo, tornando mais difícil, depois o regresso. Conheciam o tempo da vulnerabilidade da entrega a uma vida polvilhada de incerteza, de questionamento e de fragilidades que se sabem iguais.

As andorinhas também voam à chuva, disse ela. E era verdade. Amavam voar incondicionalmente, seguras apenas pelas suas próprias asas e vontades insuspeitas. Ninguém mais as segurava a não ser elas e isso, para alguns, era sinónimo de escuras solidões aterradoras, de pesados silêncios reveladores das coisas camufladas, guardadas nas suas inconsciências. No entanto continuavam a voar, mesmo à chuva, reflectidas na transparência parada dos lagos, os gritos ecoando nas tardes ainda longas de verões acabados.

As andorinhas também voam à chuva. E isso acontecia na sua rendição completa ao caos, à escuridão do próximo passo, aos precipícios para os quais se lançavam num frémito incomensurável. E tudo isto porque sabiam que voltariam sempre àquele sorriso sereno com o qual acordavam todas as manhãs, embaladas no perfume quente, protector de um horizonte que se movia à sua volta, secando-as de todas as suas mágoas."

Texto publicado no meu blog:

http://tmpego.wix.com/paixoes-sentidosblog

0

Recomenda as competências de Teresa Pêgo

Entra na tua conta ou cria uma conta para comentar.

Paixões com sentidos